Reflections from a Brexiting Britain

texto Amy Jaffa | tradução Ana Ban

Over the past year of Brexit inspired insanity, I have passed the artwork of my four-year-old neighbour, sellotaped at an angle in her family’s front window, almost every day. On a sheet of A4 lined paper, blue felt-tip scribbles outline a single word, spelt in emboldened capital letters. ‘REMAIN’. Leaving no room for ambiguity, the artist in question has coloured the final two letters a shade of bright red, a declaration to passers-by of her wish for a united Europe.

My neighbour’s four-year-old mind, although unquestionably inquisitive, is not conscious of the debates surrounding transparency and democracy within the EU, the pros and cons of the single market, or the union as a mechanism for neoliberal expansion. She does not need to be. Through her exposure to the fevered discussions that have gripped her family, community and nation, she has picked up on the fundamentals, that a victory for LEAVE means a victory for xenophobia, islamophobia and racism, a victory for hatred, division and fear.

At first, the small poster brought a positivity to my morning commute. A token of faith. A gentle reassurance that if a four-year-old could resist the poisonous, outdated nationalism that was pillaging British society, I could trust my fellow citizens to do the same.

After the LEAVE result was announced, my connection to the child’s drawing shifted. The artwork became a marker of solidarity, a reminder of the collective dimension to the internal shock, loss and anger that overwhelmed so many. It saw me off as I left for demonstrations, greeted me as I arrived home after long evenings of political discussion in the pub. Its presence consoled me as I paced up and down the street, my sister’s anger loud in the phone pressed to my ear- on a day when we were both, in separate cities, told to go back to where we came from. “Fucking immigrants”.

But over the past few months, whilst mulling this text over in my mind, the blue and red markings have taken on a new significance. A more hesitant one. As the final arrangements are put in place for the triggering of Article 50, and the details of Theresa May’s ‘hard’ Brexit are discussed in Parliament, the poster is beginning to yellow, curling at the corners. The conviction of the social movements that not so long ago filled our streets with chants to protect migrants’ rights, to fight fascism and to burn David Cameron on a bonfire, has faded to a despondent apathy, a dull acceptance of the horrors to come. The looming spectre of Brexit has become a persona non grata, draining the life from any conversation it graces.

Of course, this dwindling momentum does not come as a surprise. With Britain’s exit from the EU inevitable and, as we are so often reminded, the wishes of the majority of voters fulfilled, the path of resistance seems futile. Faced with proceedings so shrouded in ‘post-truth’ ambiguity, trust in politicians at an all-time low, and an unelected Prime Minister who, despite having campaigned against leaving the EU, seems hell-bent on championing the most hard-line Brexit imaginable, it feels difficult to know where to start.

The EU referendum has divided British society along unprecedented fault lines. The traditional political categories, of left-wing and right-wing, Labour and Conservative, have, to some extent, lost significance. Referendum allegiance has intersected political leanings and class identity.

Despairing REMAIN voters were quick to redefine the emerging societal rift, declaring a clear delineation between the 51.9% of ignorant racists versus the 49.1% politically enlightened. This conception became common rhetoric, shaping everyday conversation. Demonization provided an outlet for Remainers’ anger, a straightforward explanation for those still reeling in disbelief, and a point of focus for the frantic protests and petitions that swiftly sprung to life.

More astute analyses of voting patterns tell a different story, characterising Brexiteers not as the barbaric Neo-Nazi, but as the socio-economically marginalised and politically disengaged. Whilst acknowledging that LEAVE voters emerged from all levels of privilege and social standing, statistics suggest that many of those that chose to leave the EU were from Britain’s politically forgotten communities, post-industrial towns shattered under Thatcherism and neglected by successive governments ever since. In these ‘left-behind’ areas, far removed from the pulsing urban centres, reports highlight the low levels of educational attainment, high levels of poverty, and limited career prospects in ‘low-skilled’ and manual occupations with crippling rates of unemployment. For those whom the London-centric political establishment so drastically fails, Nigel Farage represented a new way of ‘doing politics’, immigrants represented a convenient, and strongly encouraged, scape-goat, and Brexit represented a break from the status quo. A clear demand for change, whatever that change may be.

As the Brexit negotiations approach, it seems increasingly apparent that leaving the EU will not be the answer to these communities’ grievances. Whilst the British economy seems set to further deteriorate and the Conservatives’ austerity measures continue to target the most vulnerable, the decision to leave the single market and to close our borders to the migrant workers that keep our public sectors afloat seems like a strange panacea.

That said, the marches and petitions that strive to stop Brexit from happening are no more remedial than is Farage’s great masterplan. What is needed is not a public assertion that Remainers’ voices are more deserving or inspired than those of the Brexiteers, nor is it the branding of half the nation as closed-minded, racist imbeciles. As disastrous as Brexit may be, and as much as the referendum was influenced by blatant lies and deeply problematic fear-mongering, the decision to leave has been made. Whether it be Brexit, the victory of Donald Trump, the threat of Marine Le Pen, or the wide-spread support of characters such as Jair Bolsonaro, the rise of populism is not avoided by the silencing of entire populations with derogatory labels, or by surrounding ourselves with those that share the same opinion to chant slogans. It requires stepping outside of the bubble, communicating with those outside the echo chambers of one’s own political circles.

My young neighbour’s artwork was never a marker that everything would be ok. Granted, it brightened up the street, provided small comfort to my local community, and signalled a much-needed solidarity with those that have suffered from the demonization, hate speech and violence that so brutally characterised this referendum process. But to believe that it meant anything more than this was a mistake. The poster was a marker of the deep geographical divide that would shape the referendum. A marker of the false assurance that lulled many Remainers into a relaxed state of inaction, and of the failure of campaigning efforts to extend beyond the already established REMAIN strongholds. Regrettably, with Article 50 all set to be triggered just nine days from now, this is a realisation that has come a little too late.

…     …     …

Reflexões do Reino Unido durante o processo do Brexit

Ao longo do último ano, com toda a loucura inspirada pelo Brexit, passei quase todos os dias pela obra de arte da minha vizinha de quatro anos, presa meio torta com durex na janela da frente da casa da família dela. Em uma folha de papel A4 pautado, rabiscos com canetinha azul formam os contornos de uma única palavra, escrita em letras maiúsculas bem grossas. “FIQUE”. Sem deixar espaço para ambiguidade, a artista em questão pintou as duas últimas letras em um tom de vermelho bem forte, uma declaração a quem passa por ali do desejo que ela tem por uma Europa unificada.

A mente de quatro anos da minha vizinha, apesar de ser inquisitiva sem a menor dúvida, não tem consciência dos debates a respeito de transparência e democracia dentro da União Europeia, dos prós e dos contras de um mercado único nem da união como mecanismo de expansão neoliberal. E nem precisa ter. Por meio da exposição dela às discussões acaloradas que tomaram conta de sua família, de sua comunidade e de sua nação, ela absorveu as noções fundamentais de que a vitória da SAÍDA significa a vitória da xenofobia, da islamofobia e do racismo, a vitória do ócio, da divisão e do medo.

No começo, o pequeno cartaz trazia um tom positivo ao meu caminho para o trabalho de manhã. Um sinal de fé. Uma garantia leve de que, se uma menina de quatro anos era capaz de resistir ao nacionalismo venenoso e antiquado que acometia a sociedade britânica, eu podia confiar nos meus concidadãos para se comportarem da mesma maneira.

Depois que resultado da SAÍDA foi anunciado, a minha conexão com o desenho da criança mudou. A obra de arte se transformou em marco de solidariedade, um lembrete da dimensão coletiva do choque interno, da perda e da raiva que tomava conta de tanta gente. O cartaz me desejava boa sorte quando eu saía para manifestações e me recebia quando eu chegava em casa depois de longas noites de conversa sobre política no bar. Sua presença me consolava enquanto eu andava de um lado para o outro na rua com a raiva da minha irmã bem alta no telefone colado à minha orelha – em um dia em que nós duas, em cidades diferentes, ouvimos que devíamos voltar para o lugar de onde tínhamos vindo. “Imigrantes da porra.”

Mas, nos últimos meses, enquanto eu ruminava este texto, as letras azuis e vermelhas assumiram nova importância. Agora mais hesitante. Enquanto as últimas medidas são tomadas para acionar o Artigo 50 e os detalhes do Brexit “a seco” de Theresa May são discutidos no Parlamento, o papel está começando a amarelar, os cantos estão se curvando. A convicção dos movimentos sociais que há nem tanto tempo assim enchia nossas ruas com palavras de ordem para proteger os direitos dos migrantes, para lutar contra o fascismo e jogar David Cameron na fogueira definhou em uma apatia desanimadora, uma aceitação vaga dos horrores que estão por vir. O espectro do Brexit que se avulta transformou-se em persona non grata, daquelas que acabam com qualquer conversa em que dão o ar da graça.

Claro que este movimento de enfraquecimento não é surpresa nenhuma. Como a saída da Grã Bretanha da UE é inevitável e, como sempre fazem questão de nos lembrar, é o desejo realizado da maioria dos eleitores, o caminho da resistência parece fútil. Perante procedimentos tão encobertos por ambiguidades da “pós-verdade”, a confiança nos políticos em baixa histórica e uma primeira-ministra que não foi eleita e que, apesar de ter feito campanha contra a saída da UE, parece inabalável em sua defesa do Brexit mais linha-dura possível, parece difícil saber por onde começar.

O referendo sobre a UE dividiu a sociedade britânica com falhas geológicas sem precedentes. As categorias políticas tradicionais, esquerda e direita, Trabalhista e Conservador, em certa medida perderam o significado. A lealdade ao referendo causou intersecções entre inclinações políticas e identidade de classe.

Os eleitores desesperados que votaram pela permanência apressaram-se em redefinir o racha emergente na sociedade, declarando o limite claro entre os 51,9% racistas ignorantes contra os 49,1% iluminados politicamente. Este conceito se tornou retórica comum que dá forma a discussões corriqueiras. A demonização forneceu uma válvula de escape para a raiva dos defensores da permanência, como se fosse uma explicação direta para quem ainda estava tomado pela descrença e um ponto de foco para as manifestações e petições exaltadas que ganharam vida em um instante.

Análises mais sagazes de padrões de votação contam outra história, caracterizando os defensores do Brexit não como neo-nazistas bárbaros, mas sim como pessoas marginalizadas do ponto de vista sócio-econômico e sem engajamento político. Ao mesmo tempo em que reconhece que eleitores que escolheram a saída provêm de todos os níveis de privilégio e posição social, as estatísticas sugerem que muitos dos que escolheram sair da UE eram integrantes das comunidades britânicas esquecidas pela política, de cidades pós-industriais esmagadas pelo Thatcherismo e negligenciadas pela sucessão de governos desde então. Nestas áreas “deixadas para trás”, afastadas dos centros urbanos pulsantes, relatórios destacam baixos níveis de conquistas educacionais, altos níveis de pobreza e perspectivas de carreira limitadas em ocupações manuais de “baixa especialização” com taxas de desemprego incapacitantes. Para essas pessoas que não são atendidas pelo sistema político centrado em Londres de maneira tão drástica, Nigel Farage representava uma nova maneira de “fazer política”, os imigrantes representavam um bode expiatório conveniente, que foi martelado à exaustão, e o Brexit representava uma ruptura com a ordem estabelecida. Uma clara demanda por mudança – seja lá qual fosse essa mudança.

Com a aproximação das negociações do Brexit, parece cada vez mais aparente que sair da UE não será a resposta às insatisfações destas comunidades. Enquanto a economia britânica parece se deteriorar cada vez mais e as medidas de austeridade dos Conservadores continuam a almejar os mais vulneráveis, a decisão de sair do mercado único e fechar nossas fronteiras aos trabalhadores migrantes que mantêm nossos setores públicos acima da linha d’água, essa parece ser uma panaceia bem estranha.

Dito isso, as manifestações e petições que lutam para impedir que o Brexit aconteça são tão paliativas quanto o grande plano de Farage. É necessária não uma afirmação pública de que a voz dos defensores da permanência é mais louvável ou mais inspirada do que a dos que escolheram o Brexit, nem a taxação de metade da nação como sendo de imbecis racistas de mente fechada. Por mais desastroso que o Brexit possa ser, e por mais que o referendo tenha sido influenciado por mentiras descaradas e incitação ao medo profundamente problemática, a decisão de sair foi tomada. Seja o Brexit, a vitória de Donald Trump, a ameaça de Marine Le Pen ou o amplo apoio a gente como Jair Bolsonaro, a ascensão do populismo não pode ser evitada com tentativas de silenciar populações inteiras com rótulos pejorativos nem com o ato de se rodear de pessoas que compartilham da mesma opinião para entoar palavras de ordem. Exige sair da bolha, comunicar-se com os que estão do lado de fora das câmaras de eco dos círculos políticos de cada um.

A obra de arte da minha pequena vizinha nunca foi sinal de que tudo ficaria bem. Claro que alegrou a rua, forneceu um pequeno conforto para a minha comunidade local e assinalou solidariedade tão necessária para com aqueles que sofreram com a demonização, com o discurso de ódio e com a violência que caracterizou o processo deste referendo com tanta brutalidade. Mas acreditar que tenha significado qualquer coisa além disto foi um erro. O cartaz foi um marco da profunda divisão geográfica que iria delinear o referendo. Um marco da falsa segurança que embalou tantos defensores da permanência em um estado relaxado de inação e da falha das iniciativas de campanha de se estender além dos baluartes já estabelecidos da permanência. Infelizmente, o Artigo 50 está para ser ativado daqui a apenas nove dias, e esta é uma constatação que chegou um pouco tarde demais.

– – – – – –

Amy Jaffa nasceu e vive atualmente em Londres. Terminou há poucos meses seu mestrado em Política e Estudos Internacionais pela Universidade de Cambridge. Trabalha como professora para crianças e adolescentes refugiados.

Ana Ban nasceu em São Paulo e vive atualmente em Nova Iorque. Tem mais de 180 livros traduzidos. Trabalha com direitos autorais e contratos na editora independente The Experiment.

Salvar

Anúncios

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s